CURSO DE KABBALLAH

O curso de Kabballah Egípcia, ministrado pelo professor Gilberto Bacaro, tem como finalidade, transmitir ensinamentos científicos da época dos faraós no Antigo Egito, não existe nenhuma conotação religiosa.

A kabballah ou oráculo egípcio, é uma técnica milenar, criada pelo sábio Tehuti, na era pré dinástica, ou seja, por volta de 3.850 a.C, sob o reinado do faraó Menes, que unificou as tribos do vale do Nilo e fundando o Egito como nação.

A técnica foi aperfeiçoada ao longo dos milênios, juntamente com o aprimoramento das artes e da cultura egípcia, principalmente pelo sábio Imhotep (Grão-vizir do Egito no reinado do faraó Djozer, III Dinastia, que reinou de 2665 a 2625 aC. Além de que teve relevante participação do Sumo Sacerdote de Amon Rá Rehote (XIII Dinastia), e da sacerdotisa Chefe de Amon-Rá, Nefranuth (XX Dinastia).

Utilizam-se nove estrelas regentes, num plano estelar de 12 posições fixas e móveis, que determinam os períodos negativos e positivos durante toda a vida da pessoa, acompanhado dos aspectos negativos e positivos, ou seja, o destino compulsivo, e o que a pessoa deverá mudar em si para que a negatividade (karmas) deixe de influenciar com sofrimentos a vida da pessoa ou dá família.

E podem se perguntar: Por que, em pleno século XXI, ainda teríamos qualquer relação com os deuses egípcios?

 

Na realidade, nem acreditamos neles.

Engano puro, e isso pode-se afirmar com cátedra, porque todos os que reencarnaram a partir do final do século XIX tiveram, pelo menos, oito encarnações iniciáticas no antigo Egito, que sempre será o berço da civilização no mundo.

É suficiente se fazerem a pergunta: “Por que minha fascinação pelo antigo Egito? ” Vocês não encontraram nenhuma resposta pelo menos plausível do porquê, mas essa fascinação nada mais é do que saudades de uma época que foi muito boa para todos, com amplo crescimento espiritual, e que nos traz saudades de vidas passadas. Podem crer que muitas pessoas, quando entram no museu do Cairo, ou nas ruinas do Egito são tomadas por grande sentimento de saudades e até crises de choro, a ponto de necessitar sair do recinto, principalmente com os objetos expostos da 17a à 21a dinastia, que foi quando o Egito adquiriu maior poder sobre todas as nações conhecidas, expandiu suas fronteiras e trouxe muita paz e prosperidade a todos os cidadãos egípcios. Isso tudo foi muito bom numa época passada, em que se acreditava nos deuses e eles eram temidos e venerados, mas tudo foi desmistificado, infelizmente, e hoje, a maioria das pessoas, apesar das lembranças de vidas passadas, ainda não se encontrou religiosamente, e isso tem como resultado o retrocesso da vida espiritual e a consequente eliminação das compulsões e dos karmas, ou do destino compulsivo (Shad), como os egípcios os chamavam.

Mas para encontrar tudo isso, é suficiente que vocês olhem bem dentro de si, e lá, com certeza, encontrarão suas respostas. Se não as encontrarem, este oráculo poderá elucidar muito.

O contexto dos deuses pode nada significar em nosso consciente atual, mas tem uma profunda relação com nosso inconsciente emocional, o coletivo e muitas lembranças de vidas passadas. Ou seja, todos os atuais encarnados tiveram pelo menos oito encarnações no Egito e que vieram diretamente da Atlântida para dar continuidade ao longo aprendizado.

No curso estuda-se detalhadamente as nove estrelas que pertencem ao panteão egípcio e suas influências, bem como todas as características que deverão ser levadas em consideração na vida de cada pessoa.

Basta se fazerem esta pergunta: “Por que minha fascinação pelo antigo Egito? ” Vocês não encontraram nenhuma resposta pelo menos plausível do porquê, mas essa fascinação nada mais é do que saudades de uma época que foi muito boa para todos, com amplo crescimento espiritual, e que nos traz saudades de vidas passadas. Podem crer que muitas pessoas, quando entram no museu do Cairo (isso eu vi), são tomadas por grande sonolência e crises de choro incontroláveis, a ponto de necessitar sair do recinto, principalmente com os objetos expostos da 17a à 21a dinastia, que foi quando o Egito adquiriu maior poder sobre todas as nações conhecidas, expandiu suas fronteiras e trouxe muita paz e prosperidade a todos os cidadãos egípcios. Isso tudo foi muito bom numa época passada, em que se acreditava nos deuses e eles eram temidos e venerados, mas tudo foi desmistificado, infelizmente, e hoje, a maioria das pessoas, apesar das lembranças de vidas passadas, ainda não se encontrou religiosamente, e isso tem como resultado o retrocesso da vida espiritual e a consequente eliminação das compulsões e dos karmas, ou do destino compulsivo (Shad), como os egípcios os chamavam.

Mas para encontrar tudo isso, é suficiente que vocês olhem bem dentro de si, e lá, com certeza, encontrarão suas respostas. Se não as encontrarem, este oráculo poderá elucidar muito.

O contexto dos deuses pode nada significar em nosso consciente atual, mas tem uma profunda relação com nosso inconsciente emocional, o coletivo e muitas lembranças de vidas passadas. Ou seja, todos os atuais encarnados tiveram encarnações no Egito e que vieram diretamente da Atlântida para dar continuidade ao longo aprendizado.

Entre em contato pelo telefone 11-99941-1084.

CURSO DE BUDISMO

A filosofia do príncipe Siddhartha Gauthama, o Louvado Buddha, apesar de existir e estar presente no mundo há 25 séculos, é renovada constantemente através de profundos estudos por filósofos, monges e lamas estudiosos da filosofia, e principalmente por sua pureza, e ser o caminho mais curto para a elevação espiritual, mas podemos entender ou até chamar essa “elevação”, de “Iluminação”, através dos mantras, ou mesmo da “salvação”, através de orações, do mestre Jesus Nazarento.

Pode-se mudar os termos, mas com certeza o caminho sempre será o mesmo, com o mesmo objetivo, retornar a casa do Pai Eterno, e pode ser no Nirvana, Paraiso ou Éden, o lugar é o mesmo para quem atingiu a compreensão da iluminação e da salvação. E o significado também, é o mesmo, acredito que se a humanidade não transformar as atividades, de simples atividades religiosas extremamente regradas, ou mesmo fechada nos meios acadêmicos do budismo, catolicismo, ou qualquer outro segmento filosófico, não haverá salvação para o mundo do futuro, se as academias religiosas continuarem com essa atividade num sentido religioso comum, o caminho será muito lento e até muito mais demorado, podendo até não acontecer.

Venha assistir uma aula, para maiores detalhes entre em contato conosco.